terça-feira, 24 de abril de 2007

Vacas discutindo a relação...

Não conheço nenhum bovino vivo, de minhas relações pessoais e mesmo fora delas, que aprecie esse tipo de diálogo, para não dizer monólogo, porque na realidade só as vacas falam, ou "discutem à relação"! Como bem lembrado pela AP, a relação das vacas com palavras é mesmo uma questão delicada, ainda mais em se tratando de uma "discussão" desta magnitude ...
Pois bem, mas nesse particular, sou um pouco – vou enfatizar – "só um pouco" solidária com os bovinos. "Discutir a relação" é mesmo um saco! (Calma bovinas! Continuem lendo, sem se irritar, que já viro o "assado" para o nosso lado!)
E a pobre e desavisada da vaca, que ousar insistir muito nessa questão, se transformará de imediato,(na visão masculina, é claro), em uma "vaca chata", pelo excesso de argumentos e pela falta de economia de palavras. Lembram-se das "vacas verborrágicas" da AP?
Mas a questão não é só essa: "Discutir a relação" é um saco mesmo, não pela simples questão "dos bovinos nunca se mostrarem dispostos a ela", mas sim porque a "relação bovina" em si já não vai bem, e dá explícitos sinais de desgaste.
E aí então, para a vaca não ir "pro brejo direto" e/ou para não haver um "estremecimento" mais sério do curral, nós vacas perseverantes que somos, e cobertas das mais boas intenções, naturalmente "tentamos estabelecer um diálogo", verbalizando aos "bois" o que dentro da nossa ótica bovina feminina particular, está nos incomodando, nos parecendo certo ou errado e/ou indo mal.
E talvez seja aí, nesse crucial ponto, o da "verbalização exacerbada" é que a citada "discussão da relação" já começa a dar "pintas" de que não vai funcionar mesmo.
E sabem porque? Simplesmente porque nós vacas estamos a anos luz de distância dos bois no que diz respeito à capacidade de verbalizar e exteriorizar questões pessoais.
Mas aí, uma vaca qualquer, por certo haverá de argumentar: É, mas se os temas abordados fossem, dinheiro, futebol ou vacas "gostosonas", a capacidade de verbalização bovina masculina, seria quase que imediata !
Pois é, vacas, não há de fato como desconsiderar tal premissa!
Mas o que eu queria dizer mesmo, é que essa questão da capacidade de verbalização, consiste em apenas mais uma, dentre as tantas diferenças constatadas existentes entre bois e vacas! Aquele velho papo, já abordado neste "blog", da utilização dos lados esquerdo e direito do cérebro, agora com comprovação científica neurológica!
Portanto, bovinas, atentem-se: Verbalizar demais, principalmente questões de ordem pessoal, por questões biológicas e antropológicas, é coisa que só funciona com as próprias colegas de rebanho e /ou com psiquiatras bovinos que estudaram e se prepararam para tal mister !
Assim, uma vez conscientes de tal realidade, sou da singular e singela opinião de que nem deveríamos mais nos cansar e chatear com essa coisa de "discutir a relação" com o bovino !
Pura perda de tempo e energia positiva, pois como vaca que sou, nas não raras ocasiões em que tentei "discutir a relação", devo confessar, haver me sentido literalmente "uma vaca judia de presépio", diante do muro das lamentações em Jerusalém!
Traduzindo: Me senti falando com um muro, uma aberração inanimada, incapaz de esboçar qualquer reação. O que convenhamos é pra lá de absolutamente irritante.
Por isso não pago mais esse "mico bovino", diante de qualquer boi, e há tempos aboli da minha pauta de vaca, a indigitada "discussão da relação"!
Assim, quando algo não me agrada, não mais coloco a situação em pauta de discussão, previamente agendada.
Devo advertir que minhas atuais táticas são novas, e ainda estão em fase experimental:
Visando exercitar a utilização do lado esquerdo do cérebro do bovino que convivo, ao invés de verbalizar tudo o que me desagrada, adotei a tática da provocação premeditada, que pode ser silenciosa ou espalhafatosa, ou seja não há meio-termo:
TÁTICA SILENCIOSA: Quando algo te desagradar profundamente, simplesmente não fale. Vaquíssimas! Vocês, não tem a real noção, de como o silêncio incomoda os bovinos! Lógico, eles não estão acostumados a vacas "não-verborrágicas", que são as habituais ....Aí o cara vem e pergunta? - Aconteceu alguma coisa que te incomodou? Então, você foi já tem a "carta branca" para "verbalizar" à vontade, com a garantia de no mínimo uns 50% de atenção! ... É só soltar o verbo...
TÁTICAS ESPALHAFATOSAS:
Mesmo chateada, ou "p....íssima" da vida, controle-se, conte até dez e convide o cara para beber, mas para beber "algo sério", muito além de um mero "chopinho". Sugiro, um destilado de boa qualidade e/ou um "champanhe". Borbulhantes costumam relaxar rapidamente, e aí então, depois do terceiro copo, e quando todos estiverem mais descontraídos, "verbalize" à vontade ! Se o cara não estiver bêbado, garantia certa de pelo menos 30% de assimilação do que você falou !
Se o "boi" é dureza mesmo, vista-se de "vaca-tiazinha", sim aquela "pseudo-sadomasoquista" com chicote e tudo, maluca de anos atrás, ou de enfermeira, colegial, assuma seu lado vaca depravada! Nenhum boi, fica insensível a isso. Garantia certa de atenção, pelo menos pela indumentária: 90% !
SE NADA DISSO FUNCIONAR: Mandem o boi, literalmente "a vaca que os pariu". Afinal, um "boi" desses, por certo, não merece uma vaca tão compreensiva e criativa como você!
EM TEMPO: Esse texto, deve ser considerado, como uma maneira "bem-humorada" de conviver com as nossas constatadas diferenças!

DM

1 Comentários:

Blogger Thiane disse...

Nossa, sensacional. Sabe que eu já usei a tática do não falar várias vezes e é mesmo ótima. Mas outro dia eu não me aguentei e tive que chamar pra uma "breve" discussão da relação. Óbvio que não resolveu nada. Então, é isso mesmo. Chega de blábláblá. A hora que não for mais da nossa conveniência...hahahahhahhah Bjs

25 de abril de 2007 00:06  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



 

 

Um olhar feminino sobre o universo... digamos, bovino. Mulheres falando da vida e de outras mulheres.
Mulheres explicando às outras que, querendo ou não, somos todas umas vacas!




A calma alma má
A cor da letra
Adão Braga - Corpo, alma e espírito
Adão Braga - Conectado
Aletômetro
All Racing
Apoio Fraterno
Ansiosa e prematura
Avassaladora
Banana com peperoncino
Bomba MH
By Oscar Luiz
Coisas e tralhas - Mutumutum
Colóquio
Concerto em Dó Menor
Conversas furtadas
Eu sei, mas Esqueci
Eu sou garota?
Fábio Centenaro
Geek Chic
Gothicbox
Hipermoderna
Immortal lust
Instant Karma
Isso é Bossa Nova!
Irmãos Brain
Jornal da Lua
Juarez, o cabrito montês
Limão Expresso
Luz de Luma, yes party!
Jogando Conversa fora
Mas, bah!
Mais atitudes
Matérias repugnantes de um brejo
Melica
Memórias póstumas de um puto prestimoso
Meu cantinho
MOrsa sem pelo
Mulher é tudo bandida
Mulher Remédio
Neuróticos modernos - Filosofia mequetrefe
O estranho mundo de Mila
Oncotô?
Os pensamentos de eu e ela
Paola, a estranha
Papo de buteco
Pensar enlouquece, pense nisso
Pererecas em chamas
Pérolas políticas
Remembrança
Saber é bom demais
Sem frescura
She's like the wind
Sinceros receios
Smile
Sobre sapos, pererecas e afins
Somos todos uns cachorros
Sou para-raio de doido
Uma mente nada brilhante
Van Filosofia
Vertente
Wolverine responde



Fevereiro 2007

Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Dezembro 2009
Março 2010





Powered by Blogger



eXTReMe Tracker