sábado, 16 de junho de 2007

A VACA E, A MAIS DO QUE VACA DENTISTA....


Quando ainda era casada com meu ex-(boi) e 1º marido, e ainda no curso de tal relação, fui apresentada ocasionalmente pelo mesmo a uma certa Senhorita “Vaquinha” aparentemente inofensiva, que era Odontologista.

Na ocasião em questão, meu ex-marido era proprietário de um “Quiosque” de Café Expresso, badalado em minha cidade natal, porque ficava em uma Galeria tida como “chique”, localizada em um bairro nobre da capital gaúcha, que se tornou em uma determinada época em “ponto-obrigatório” dos porto-alegrenses tidos como “descolados”, pelos eventos que lá aconteciam.

Resumindo: O lugar de fato, virou, ”point” em uma determinada época e lá conheci muitas pessoas interessantes. Freqüentavam o tal “café”, intelectuais da cidade,desembargadores, profissionais liberais, artistas que se apresentavam na Capital gaúcha, enfim uma fauna de material humano bastante diversificada e prá lá interessante, devo referir.

Como era eu, a vaca institucional do “dono do boteco”, nos finais de semana ia para lá solidariamente e confesso que até, com um certo prazer de ajudar o boi, pois o negócio em questão, além de charmoso, se tratava mesmo de um típico, “business and pleasure”, pois honrosamente servi café e “bati” singelos, mas inesquecíveis papos com o Luís Fernando Veríssimo, o poeta Mário Quintana, só para citar alguns inesquecíveis ...

Pois bem voltando a “VACA-ODONTÓLOGA”, quando apresentada à mesma pelo boi, devo dizer, que de cara simpatizei com a vaquinha, simples e simpática ela, e de imediato estabelecemos um relacionamento profissional, pois na época se bem me lembro, eu estava precisando mesmo de um(a) Dentista providencial e apreciei com muito bom gosto, o fato da profissional em questão, se tratar de uma companheira de rebanho. Sei lá dentistas mulheres geralmente tem mãos menores, o que facilita a coisa, pois mexem em sua boca com mais delicadeza,eu diria ... (Mania e pura impressão de vaca ...)!

Então foi unir o útil ao agradável, a vaca se tornou à “dentista da família de plantão”. Eu e o boi-marido da época, passamos assim, freqüentá-la, com uma certa regularidade pelas facilidades de possuir o consultório na Galeria em que trabalhávamos, e sempre que fizesse necessário. Devo referir ainda, que a vaca em questão se tratava de uma excelente profissional, minha boca bovina que o diga.
Tinha um sorriso lindo na época ...

O tempo passou, meu relacionamento com o citado “boi” desandou, e depois de oito anos de um casamento sem filhos por opção, civilizadamente viemos a nos separar em momento posterior.

Mas ... a vaca da dentista comum, continuou a mesma !

Então, um belo dia, durante uma consulta odontológica, sentada eu, na cadeira profissional da “vaca-dentista” em questão, esta começou com um “papo-morno” e casual do tipo:

- Ai, ainda bem que tu te separaste do fulano, ele não te merecia mesmo ... Eu de boca aberta, certamente “obturando”, balbuciei: -Hrummmmmm ...

E a vaca, prosseguiu feito, “vaca-louca verborrágica”: Mas, preciso te contar uma coisa ... Eu:– Hrummmmmm. E ela então de inópino assim se declarou, de forma “curta e grossa” : -Tive um “rolo”, com teu ex-marido, enquanto vocês ainda eram casados, e hoje me arrependo por isso, afinal tu és tão legal ! Eu:- Hrummmmmmmmmm!!!! - Mas não te preocupas, - prosseguiu a vaca louca - Foi apenas sexo, teu ex-marido era muito cafajeste, mesmo ! Falou isto com um certo desdém ...

Não preciso referir, que nossa consulta e o até então salutar relacionamento profissional, acabou por aí. Não que eu tenha ficado chateada, com a inusitada revelação, já estava separada mesmo do boi, e vivia alegremente, agora vivenciando um novo e adorável romance com o boi paulista (Hoje o atual companheiro de rebanho).

Mas na época do ocorrido, não pude deixar de refletir ... Meu Deus, que idiota fui eu, o negócio acontecendo nas minhas “barbas” e eu nem sonhando ... Bom, nunca fui mesmo ciumenta com o tal boi ... E a vaca em questão, além de não se tratar de um “mulherão”, vivia no café, dia e noite, era uma cliente como tantas outras, que eu tratava com a maior educação e delicadeza, sem falar que até dava muito lucro pro negócio, tinha até conta-fixa ... Será que pagava em sexo para meu ex-bovino? Êta, Vida louca, essa nossa, hem ?

Agora me digam: Como qualificar uma vaca dessas? Vadia ? Acho que não trabalhava feito um cão ... Vagabunda ? Também não, era tipo vaca-família, um dia se apresentou lá no café com os pais, a irmã e afins. Vaca-Galinha? Vai saber, será que quem deu mole não foi o boi?

Hmmmmmmm – Acho que “Vaca sem-ética”,talvez fosse mais apropriado, para defini-la!

Mas o que secretamente como “vaca que sou”, adorei!!! (Ai a cruel natureza perversa bovina feminina!) Foi o fato de que ela de fato, se apaixonou mesmo , pelo meu “ex-bovino”, e ele, HAHARRRAA..... Ele, como boi “cafajeste” ... Só queria sexo mesmo !!!! Danou-se assim a “anti-ética” da VACA !

Por isso vacas, toda a cautela é pouca, antes de pastarem no curral alheio ....

MORAL DA HISTÓRIA: Afinal quem foi mesmo mais vaca, eu ou ela ????

PS: Qualquer semelhança com a vida real, não é mera coincidência....






20 Comentários:

Blogger Osc@r Luiz disse...

Hahahaha!
Sensacional!
Morei em Porto Alegre de 70, quando nasci até 83 quando vim pra Cuiabá. Confesso que fiquei curioso pra saber aonde era o tal café que privilegiadamente serviu pessoas tão ilustres.
Minha região, a Cidade Baixa, virou point também depois que estou aqui.
Eu estudava na Lima e Silva entre a Rua da República e a Sarmento Leite, se não me engano.
Na época, uma tranquilidade. Hoje, às noites é difícil andar mais que 2 metros de carro a cada 15 minutos.
Um beijo, Vaquinha.
Seu ex-boi e a vaquinha sem ética se merecem.

16 de junho de 2007 20:57  
Blogger DM disse...

Querido Oscar :

Por uma questão de ética, sim eu a tenho, não quero dar nome aos bois, o tal café ficava no Bairro Moinhos de Vento, em uma galeria descolada de lá, na década de 90 .... Acho que tu saiu antes de lá ....
Beijos e obrigada pelo comentário, Histórinha engraçada não ? Mas acontenceu mesmo na vida real... Por mera precaução, meu atual bovino frequenta odontólogos-bois com B maiúsculo ....

17 de junho de 2007 10:03  
Blogger Beth disse...

Agora eu entendi quando vc falou do texto enquanto me recordava do meu ex-futuro boi marido. kkkkkkkkkkkkk
Caraca ....... pô ... onde se ganha o pão não se come a carne. Isto é fato e ainda virou tua "amiga da onça"? Caraca .......

Mas boi é um bichinho meio que esquisito e ainda acha tudo normal. Teve uma época que quase cai numa cilada dessas. Pô conheci o boi separado e um mês depois o boi voltou para a vaca mor (como todo padre ele se compadeceu do possivel cancêr da vaca e voltou a vida conjugal) .. pronto seis meses debulhando em lágrimas. O telefone tocava, e-mail vinham, buzinadas no portão ... mas não era aquilo que eu queria para minha vida. Graças a Deus a vaca mor fez da vida dele um inferno, pediu a separação e em menos de um ano ela já estava casada novamente e mudado de cidade. E não é que o boi chifrudo me procurou serelepe para falar da separação?? Com os olhos brilhando, feliz da vida e esperando que eu dissesse algo. Dizer? O que? 2 anos depois? Bobo segue tua vida de novo solteiro feliz que eu estou muito bem obrigada. kkkkkkkkkkkkk .... Ele queria que eu esperasse ... acredita nisso? E como o destino é benevolente com as sofredoras, mais um boizinho que não para quieto com sua vaquinha e só arruma vaca doida que adora jogar tv janela a baixo. Bem, feito...

Bois, bois, bois ....... não tomam jeito.

Na boa ... se rolasse um sentimento sincero por parte da vaca-vadia eu até entenderia. Ninguém escolhe onde seu coração vai bater, vai parar, mas pode-se evitar, fugir, sofrer sozinha, mas escolher amor é meio complicado. Mas já que o lance da vaca-vadia era só sexo então ela que se lasque e ele também. Tanto boi solteiro para fazer sexo por sexo e ela foi pegar logo o teu? E ainda cobrava pelas consultas odontológicas?

E quase que caio novamente numa outra cilada ... mas quer saber? Ninguém pode ser feliz em cima da tristeza alheia. Sofri, chorei, mas não cai e não vou cair. Se me quiser vai ter que se resolver primeiro. Ahhhhh mas doi tanto .... natal, reveillon, aniversario, lua cheia qq coisa é motivo para o telefone tocar. Ainda bem que existe o bina...da para evitar, sempre dá para evitar. Mas ainda doi...e como doi. Não é questão de ética, questão de amor-próprio e isso eu tenho de sobra. Se nem com ex-boi de amiga vaca eu fico quanto mais com boi alheio. Corto os pulsos, sofro, fujo, viajo, mas digo não. Uma hora passa.

Mas eu tenho umas amigas vacas-vadias e desaforadas que ainda questionam a vaca-mor, vê se pode uma coisa dessas. Ai eu digo vaca-mor é vaca-mor ... respeite-a, pois a vadia é tu. E elas não gostam de ouvir mugidos verdadeiros.

Tem prá tudo nesse pasto de meu Deus!

17 de junho de 2007 15:26  
Blogger DM disse...

Ai vaca Beth, adoro seus comentários me divertem, se trocam experiências de vida, etc ...
Bom devo dizer que não sofri nem um pouquinho com o episódio da vaca dentista, porque quando vim a saber já tava separada do boi, o que olhos não vem o coração não sente, diz a lenda ... Mas não sofri nada, só fiquei surpresa da vaca, pra me contar devida tá com uma culpa do tamanho dela própria e/ou com raiva do bovino ....

Bom quanto a ciscar, ai vacas não ciscam, pastam na área dos outros, por uma questão de ética, acho que não se deve mesmo cobiçar o curral da vaca vizinha, mas há casos e casos, por isso não julgo .... Em um triângulo amoroso desses, acho que os bois quase sempre são os responsáveis, porque custam a se definir por uma vaca ou outra, mas tem aqueles ainda que querem ficar com as duas, prá esses só vomitando ....

Agora que aquela vaca dentista me deu nojo, ah isso me deu, tenho sangue de vaca, não de barata !! Tu acreditas que a vaca até frequentou minha casa em algumas ocasiões, e ainda criou em mim um certo preconceito contra vacas dentistas .... Quando vejo uma cadeira de dentista, só fico imaginando o que pode rolar ali, além de uma simples consulta dentária bovina .... Ai ai esse universo de vacas e bois .... Só escrevendo e dando muita risada, não é mesmo ???
Bom final de domingo prá você, você é uma de minhas vacas de blog prediletas ...

Beijos

17 de junho de 2007 15:44  
Blogger Pedro disse...

Confesso que sou um boi cretino, galinha, separado, pai adotivo, adoro minha liberdade e custo para mantê-la. Já fui um fdp desses ai, mas ao final eu sempre fazia minha escolha. Acho que se há algo errado na relação, se deixaram entrar a traição é porque algo não vai bem. Então, é chegada a hora de partir. Hoje, amadurecido pela vida, no alto dos meus 40 chifres, antes que aconteça eu já abro o verbo e pulo fora. Não dá para dividir sentimentos com teúda e manteúda, ou eu sou de uma, ou eu sou de outra. Nada impede de alguém ser feliz seguindo seu caminho sem precisar usar os outros como escada de sua felicidade, de sua libertação. Filho não segura, familia muito menos, trabalho nem pensar. Se você é casado, está namorando, é compromentido de alguma forma e encontrou alguém que balançasse o teu coração. Avalia e se for da tua vontade vai correndo ser feliz, mesmo que não dê certo. Mas é mais honesto do que viver tornando ambos os lados infelizes.

Cadeira de dentistas realmente são um perigo. Minha ex-esposa é uma dentista maluca. Minha cunhada e meu irmão se conheceram na faculdade de odontologia um sendo cobaia do outro. Ainda bem que sou engenheiro e meu dentista é homem. E só digo que sou boi-fruta para afastar mulher maluca e grudenta da minha vida.

Bom esse universo bovino de vacas aqui. Voltarei com mais tempo para a leitura.

17 de junho de 2007 16:23  
Blogger Pedro disse...

Pior do que a cadeira do dentista deve ser a mesa do ginecologista.

17 de junho de 2007 16:24  
Blogger Van disse...

É justamente por isso que eu só vou em profissionais do sexo masculino.

........
Beijuca querida!

18 de junho de 2007 10:58  
Blogger Beth disse...

Ahhhhhhhhh DM

Muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu
Ae vou te confessar que eu mesma me divirto com as mazelas de mim mesma. Só rindo !!!!!

Van ... todos meus profissinais médicos tb são homens. São mais delicados ... Ahhhh o ginecologista !!! Não sei pq nenhum boi de minha vida gosta dele !!! Ele é tão bonito (rs). E o dentista ?? Ai Ai .....

Isso sem falar no anestesista de minhs cirurgias...antes de fechar os olhos eu olho para a cara do anjo... ahhhh ... anjo que me põe para dormir. Meu Deus! E que anjão!!

Mas como Thiane falou lá no meu espaço ... e viva o amor-proprio o resto a gente chuta que é macumba, de alguma vaca-galinha mal despachada.

Pô não tá baixando nem uma gripe. Que sacanagem!

18 de junho de 2007 14:07  
Blogger Sir DoRego disse...

como posso dizer...muito louco o relato....eu cada vez que apareço por aqui me divirto...que historia louca..que historia louca...

18 de junho de 2007 16:21  
Blogger Cintia disse...

Pois é, e ainda dizem que vaca não tem chifre! Mas deixe estar, afinal, vacas de categoria (como nós) temos azar de às vezes, topar com bois-ralés e acharmos que é tudo de bom aquele jeitão de cafajeste. Sei muito bem o que é isso.
Um beijo!
PS: tô esperando a "tal visita mais demorada" lá no Brejo.

18 de junho de 2007 19:15  
Blogger DM disse...

Queridissimos bois e vacas !!!

Sir ... A história é louca, mas foi real, nada foi ficcional, a vaca dentista quando me contou a história em questão nem me anestesiou ...

Beth e Thiane - O ser humano é o único animal que ri de si mesmo, imagina as vacas !!!

Van - Atualmente só frequento profissionais masculinos na área médica e dentária .... Mas como disse antes, não podemos ter preconceitos contra nós mesmas ... Afinal como em tudo na vida há vacas boas e más ...

Cinthia - Preciso mesmo te visitar com mais calma ...

Beijos em todos, fiquei sabendo hoje que nossa querida vaca AP tá sem computador ... To morrendo de saudades da vaca e de seus textos ...

Beijos em todos

18 de junho de 2007 20:58  
Anonymous dan disse...

em breve farei um template mais aprimorado pras vacas! ^^ vcs merecem, e vai ficar mais bonito que esse, bem mais!


beijocas! xoxoxoxoxo

19 de junho de 2007 01:28  
Blogger Beth disse...

A vaca dentista ainda está ai firme e forte? Eiiiiiiiiii ..... vamos falar do boi ginecologista?

kkkkkkkkkk

Só passei aqui para dizer que tem tarefa para vczinha no blog ...

beijos

19 de junho de 2007 12:17  
Blogger Beth disse...

No teu espaço ....... alias .. vou adicionar uma linha lá ... esqueci de dizer isso ....... muuuuuuu

Coloca um mural no teu blog ... !! Fica mais fácil de deixar recados sem atrapalhar muito os comentários dos post. Sei lá ... apenas uma sugestão.

muuuuu cheio de beijinhos

19 de junho de 2007 13:52  
Blogger Thiane disse...

A "vaca" aqui já esteve de todos os lados de uma história pouco saudável: fui a outra, fui traída e traí. E vi que estava em um momento de baixa auto-estima (pós-separação do marido), aceitando migalhas do mundo. Hoje, graças a muito auto-conhecimento,tô mega feliz e de bem comigo mesma. Por isso, nunca mais saio com ninguém comprometido ou casado. E me recuso a trair. O lance é simples: me dou valor. Quer ficar comigo? Se resolve e volta zerado. Quero ficar com alguém? Então o que é que estou fazendo num relacionamento que não me satisfaz? Mas talvez eu entenda porque a odonto foi tão sem noção. É que num triângulo amoroso, as mulheres competem entre si querendo acreditar que a mulher original é uma imbecil que faz daquele homem maravilhoso um infeliz. Quando a mulher original descobre a outra (porque homens são burros e esquecem que hoje existe celular), ele continua santo. Porque a original tende a achar que ela tb tem alguma culpa nisso e a outra, claro, é só uma vagabunda que merece morrer. Aí um dia ambas descobrem que não é bem assim. Ambas podem ser legais, inteligentes, bonitas e tudo de bom. O cara, sim, tem problemas, não resolve a vida. Mas aí já nos permitimos aceitar as esmolas desse ser infeliz. Terminamos todos machucados. Preciso de inspiração, mas quero descorrer tanto sobre as vacas fáceis quanto sobre traição. Vou esboçar um texto único. Contarei minha história, que vale por mil. Ah, mais um segredinho: romances que começam na traição podem até ser fiéis, mas quem confia de verdade? Uma pena. Se todo o universo das vacas entendesse isso e se unisse, os homens tomavam jeito. Acreditem!

19 de junho de 2007 15:02  
Blogger DM disse...

Concordo com tudo Thiane ... Também já estive em todos os vértices do triângulo amoroso bovino .... Por isso relações trinagulares, tô fora ... Fala sério, eu tu a Beth e AP. podiamos escrever um tratado de psiquiatria bovina, só com nossas experiências .... Os bois que se cuidem, depois de tantos levarmos na cabeça, acho que estamos nos superando ....

Beijos, vou ver se visito o vertente, to com saudades ....

19 de junho de 2007 19:06  
Blogger Juℓi Ribeiro disse...

Adorei o texto!
Repleto de humor,
criatividade,
talento e sabedoria.
Vocês são o máximo!

Sabe aquele ditado
que diz: Antes só
do que mal acompanhado?
Esse é o meu ditado preferido.
Ainda bem que esse boi
foi parar em outras pastagens...
Em matéria de relacionamento
penso que confiança
é a base de tudo e que
TODO RELACIONAMENTO
DEVE GERAR CRESCIMENTO.
Sou uma eterna romântica
e as românticas tem tendência
a embarcarem em canoas furadas,
mas já aprendi a valorizar
uma boa embarcação
e a me distanciar
das canoas furadas...
(Risos)
Quanto a vaca dentista
eu a nomearia além de
“Vaca sem-ética” de
"vaca burra
metida a sabida"
se achando o
"O DO BOROGODÓ"
e querendo laçar
o boi alheio.
Burrinha mas
malvadinha também...
Essa aí nunca vai
deixar de ser
capim no pasto.

Um abraço
e a minha admiração
para vocês meninas.

19 de junho de 2007 22:19  
Blogger AP disse...

Gente, essa história da DM parece um dos primeiros episódios de Friends, hahaha!

Euzinha também prefiro os profissionais do sexo masculino, mas nem sempre homens... Nada contra as mulheres.

Quanto ao ginecologista... Meu pai era. Tem cada mulher maluca, carente e oferecida nesse mundo... Nem conto. Mas eu nuca tive um médico bonitão que me desse mole. saco!

Pedro, vc é super honesto, hein?

19 de junho de 2007 23:19  
Blogger Van disse...

Médico nunca tive, mas alguns professores costumavam dar mole pra mim láááá nos tempos do colegial. hehehe
Beijuca

20 de junho de 2007 01:09  
Blogger Lia Gomes disse...

Adorei seu post...é verdeda mesmo somos todas umas vacas...rs
Então vai + uma dica: AS VACAS PERIGUETES!!
Esse tipo pra mim é o pior.
Um grande abraçao e voltarei sempre.
Lia.





Piriguete não paga, ganha cortesia;

Piriguete não trabalha, conversa no MSN;

Piriguete não gasta celular, dá toque (tandera);(o fim da picada! Prefiro não ligar)

Piriguete não fica, escolhe um e pega;

Piriguete não bebe cerveja, toma ICE;(Ice é o fim do mundo!!! Tipo Gummy!!! Sou da antigas prefiro a boa e velha cerveja)

Piriguete não namora, fica e enrola; (essa é nova pra mim!!!)

Piriguete não tem carro, tem carona;

Piriguete não dança, zoa; (Vixi)

Piriguete não leva bolsa nem carteira, acha um otário pra pagar;(Cruzes....)

Piriguete não tem amigas, tem colegas;

Piriguete nunca sabe como nem com quem vai voltar da festa;

Piriguetes são conhecidas de todos os putões da cidade, e cada um já
pegou, além dela mais 3 colegas suas;

Piriguete nunca leva dinheiro, mas tá sempre com uma bebida na mão;(hahahahahahaha... eu que não me vire pra pagar a minha! )

Piriguete sai em todos os sites que cobrem as festas e aquelas "reuniões" de
maconheiros, bandidos e piranhas da cidade (baile funk), quando nao tem um
ela usa a da colega e pede pra mandar as fotos pelo MSN; (hahahahahahaha...)

Piriguete não sente frio, ta sempre com a barriga de fora, faça o frio que
for; (esse é um dos mistérios da humanidade que mais me intriga! Pq raios será que essas criatura não sentem frio????Será que elas tem alguma "capa" protetora? Um calor interno que ninguém tem? o poder do auto aquecimento potencializado? O que será?)

27 de junho de 2007 11:40  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



 

 

Um olhar feminino sobre o universo... digamos, bovino. Mulheres falando da vida e de outras mulheres.
Mulheres explicando às outras que, querendo ou não, somos todas umas vacas!




A calma alma má
A cor da letra
Adão Braga - Corpo, alma e espírito
Adão Braga - Conectado
Aletômetro
All Racing
Apoio Fraterno
Ansiosa e prematura
Avassaladora
Banana com peperoncino
Bomba MH
By Oscar Luiz
Coisas e tralhas - Mutumutum
Colóquio
Concerto em Dó Menor
Conversas furtadas
Eu sei, mas Esqueci
Eu sou garota?
Fábio Centenaro
Geek Chic
Gothicbox
Hipermoderna
Immortal lust
Instant Karma
Isso é Bossa Nova!
Irmãos Brain
Jornal da Lua
Juarez, o cabrito montês
Limão Expresso
Luz de Luma, yes party!
Jogando Conversa fora
Mas, bah!
Mais atitudes
Matérias repugnantes de um brejo
Melica
Memórias póstumas de um puto prestimoso
Meu cantinho
MOrsa sem pelo
Mulher é tudo bandida
Mulher Remédio
Neuróticos modernos - Filosofia mequetrefe
O estranho mundo de Mila
Oncotô?
Os pensamentos de eu e ela
Paola, a estranha
Papo de buteco
Pensar enlouquece, pense nisso
Pererecas em chamas
Pérolas políticas
Remembrança
Saber é bom demais
Sem frescura
She's like the wind
Sinceros receios
Smile
Sobre sapos, pererecas e afins
Somos todos uns cachorros
Sou para-raio de doido
Uma mente nada brilhante
Van Filosofia
Vertente
Wolverine responde



Fevereiro 2007

Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Dezembro 2009
Março 2010





Powered by Blogger



eXTReMe Tracker