quinta-feira, 18 de outubro de 2007

VACAS E BOIS BORRALHEIROS

Lembram-se daquela mais do que clássica historinha infantil, dirigida ao rebanho feminino, intitulada a “vaca-Cinderela”, que graças a um adorável e providencial príncipe boi-encantado, e a seu minúsculo e elegante pezinho de vaca, deixou de ser borralheira e virou princesa do dia para noite?

Pois é, mas em currais tidos como modernos, a sinopse da citada fábula infantil, costuma invariavelmente acontecer às avessas.

A coisa se agrava de sobremaneira, quando as literalmente “vacas-domésticas”, auxiliares de um curral qualquer de classe média, deixam de forma irresponsável de comparecer ao trabalho, acumulando então as tidas como “princesas vacas", toda a sorte de tarefas domésticas.

Não bastasse, nestas condições, as sempre presentes pautas de compromissos profissionais que as vacas modernas agora assumem naturalmente para si, mais os cuidados com a prole, e com o boi-litisconsorte, acumulam ainda essas pobres-vacas-princesas, em situações como a citada (ausência das vacas domésticas auxiliares), o árduo, estressante, alienante e repetitivo, mas não menos indispensável: serviço doméstico do curral. O qual diga-se de passagem só é notado e valorizado, por seus co-habitantes (leia-se bois) quando não realizado a contento.

Pois é, nessa semana que passou (pós-feriadão) me vi literalmente na situação da tal princesa-cinderela às avessas, ou seja, a tal da vaca ficcional, em seu status quo anterior à condição de princesa, a vaca-borralheira, mesmo!

A vaca aqui, literalmente passou, lavou, cozinhou, limpou e exorcizou de todas as formas, a indigesta “neura” da limpeza, tudo por conta de uma vaca de profissão-doméstica que literalmente deixou o curral na contra-mão.

Por conta de tais revezes inesperado, trabalhos se acumularam, o humor e a paciência da vaca baixaram a índices inferiores à zero, o que veio a gerar instabilidades e estremecimentos nas relações cotidianas do curral e no próprio andamento do mesmo.

Assim, a vaca se viu ainda que à contragosto na condição de vaca-borralheira, mesmo calçando sapatos 34! E, o tal do boi-príncipe com o sapatinho encantado transformador de sua condição, não apareceu, aliás sequer deu o mínimo sinal de vida!

Por isso vacas, esperar ou contar com o tal do príncipe em situações como a relatada, só na fábula mesmo. Vida de vaca moderna é ser borralheira, advogada, jornalista, mãe, administradora de empresas (sim, porque gerenciar uma casa equivale a gerenciar uma empresa, resguardadas as devidas proporções é claro), e tudo isso exaure por demais qualquer vaca, por mais pacata, responsável e “prendada” que ela costume ser!

Nesses dias de vaca-borralheira, nutri uma secreta inveja branca dos companheiros de rebanho! Em alguns momentos de fraqueza e raiva, e em meio a tantas tarefas domésticas e profissionais acumuladas, repudiei minha condição de “mulher” gerenciadora de tudo! Queria mesmo era ter nascido boi, batendo solenemente o portão do curral em direção ao trabalho, e o curral que ficasse do jeito que estivesse! Mas aos poucos, a vida foi retornando ao seu ritmo normal (finalmente a vaca da doméstica apareceu), e a repentina loucura de vaca-borralheira passou.

De qualquer maneira, ainda não tive a sorte, de conhecer nenhum boi da raríssima “raça-borralheiro”, se é que essa raça bovina masculina de fato, exista!

Talvez a salvação da espécie bovina, e da perpetuação no tempo de currais institucionais modernos, resida, quem sabe,justamente em cima de tal premissa, dentre tantas outras: Em “bois-borralheiros” que dividam irmamente, e de igual para igual com suas vacas toda a sorte de tarefa !

DM (re-postado por AP, devido a problemas técnicos!)

11 Comentários:

Blogger Fábio disse...

Por essas e outras que eu odeio as convenções sociais. Eu sou um boi que gosta de ajudar nas tarefas domésticas - lógico que tem coisas que eu odeio, mas até aí somos (homens e mulheres) iguais.
Aliás, aprendi a cozinhar (bem, modéstia à parte) a partir das necessidades que a vida impôs, quando minha mãe saiu de casa pra trabalhar e as crias tiveram que aprender a se virar senão morriam de fome hehehe.
Abraços

18 de outubro de 2007 23:29  
Anonymous Erika disse...

eu preciso de um boi-borralheiro que goste de cozinhar e não tenha nojo de pano de chão... rsrs... o resto eu faço na boa.. rsrs

Beijos Aninha

19 de outubro de 2007 07:06  
Blogger Ana Paula disse...

A minha opinião é a seguinte: alguém tem que fazer o trabalho. Não importa se é o homem ou a mulher. Como gosto de tudo bem-feito, organizado e bem limpinho, faço logo. Sem polêmica. Sem showzinho.
E acredito em homens que fazem trabalhos domésticos, sim. Já conheci alguns. Cozinham (amo homem que cozinha!!!), cuidam da casa...
Acho que aquela coisa de homem que não faz nada existe, mas está a caminho de acabar.

Leu meu e-mail?

Beijos!

19 de outubro de 2007 07:41  
Blogger DM disse...

AP, SEI EU LÁ QUE ZICA DEU NESTA POSTAGEM ! OBRIGADA PELAS CORREÇÕES... AGORA QUE ABRI O BLOG, TODOS OS TEXTOS, ESTÃO COM AQUELES SINAIS ESTRANHOS ... AS VEZES ACONTEÇE, DEVE SER COISA DE PROVEDOR ...

QUANTO AOS COMENTÁRIOS, NÃO TENHO DE BRONCA NÃO DE SERVIÇO DOMÉSTICO, FAÇO TUDO QUE FOR PRECISO EM UMA CASA.... MAS AS COISAS SE ACUMULARAM PRO AQUI DE FORMA ABSURDA, VOLTA DO FERIADO TREZENTAS ROUPAS PRÁ LAVAR, CASA SUJA (COM PÓ), ENFIM UM HORROR ...
COMO ERIKA APRECIARIA MUITO UM BOI-BORRALHEIRO, MAS ATÉ HOJE SÓ CONHECI E CONVIVI COM OS DA ESPÉCIE DEITADOS... E EM SITUAÇÕES COMO A RELATADA, ELES SÃO MUITO IRRITANTES ..... DE TIRAR QUALQUER VACA DO SÉRIO !!!

BEIJOS EM TODOS

19 de outubro de 2007 08:16  
Anonymous Anônimo disse...

Moça DM, dois conselhos de amigo: não escreva em letras maiusculas. Na internet isso equivale a gritos. Fica difícil de ler e não é educado.

Problemas tecnicos de blog? comente por e-mail com a co-autora do mesmo.

No mais... faça textos menores. Vc escreve bem, mas quase não cheguei ao final.

19 de outubro de 2007 08:25  
Anonymous doedinha disse...

Dêzinha, minha santa! Fiquei preocupada contigo... Que história é essa:"Queria mesmo era ter nascido boi..." Deus te livre de tamanho castigo! Já penssasse que se tu tivesse nascido homem, não teria conseguido realizar nem 1/3 dos teus TANTOS afazeres... Ahahahahahahahaha

Brincadeira, gente, alguns, são até bem competentes no auxílio as suas princesas.

É por essas e outras que eu nunca brinquei de ser Cinderela, que se matava no borralho, sempre preferi a Branca de Neve, suave, serena, languida, linda, tirando um cochilinho, descansando a pele, os olhos, já devidamente maquiada e chapada(chapinha gente, chapinha)enquanto aguardava seu príncipe-boi-sapo encantado.

Bom dia!

19 de outubro de 2007 09:51  
Blogger Gastón disse...

Aninha, o negócio é ter mesmo emprevaca. Ninguém no mundo merece ter que chegar em casa e fazer limpeza. Eu lavo louça, arrumo cama, essas coisas básicas durante a semana. Mas quem pega no batente aqui no curral é mesmo a Jô. Aliás, ela não só pega no batente como ela quebra o batente as vezes.

19 de outubro de 2007 15:16  
Anonymous Victor disse...

Muuuito bom isso aqui, viu???

Ri pouco, não?

Beijos

19 de outubro de 2007 15:46  
Blogger jmj disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

19 de outubro de 2007 15:49  
Blogger transgressor disse...

Confesso que não sei nem limpar a casa ,nem cozinhar legal.faço um cozido igual minha tia avó:leva tudo:carne,vegetais e banana da terra.dá o maior caldo.dura 3 dias.mas tambem é só.é falta de jeito.faço um café legalmas a moça tem que limpar tudo depois,sou um pleonasmo ambulante:não limpo,mas não suporto sujeira.me viro mas pago alguem pra fazer,desde sempre.

19 de outubro de 2007 17:44  
Blogger transgressor disse...

Como uma vaca,minha amiga,sentenciou:vaca sabe sair legal de um relacionamento,boi não.É que vaca,quando é bezerrinha brinca de casinha,boi não.Então quando separa,fica perdidinho!AP ,quando der inveja pense que um boi sozinho não consegue nem sair da cama,pra não ver a zona que está a casa!E só na segunda chega a empregada!Ufa....daí fica bão pro boi!Tõ entrando pq tinha furo na cerca,tá ligada?abs.

22 de outubro de 2007 15:32  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial



 

 

Um olhar feminino sobre o universo... digamos, bovino. Mulheres falando da vida e de outras mulheres.
Mulheres explicando às outras que, querendo ou não, somos todas umas vacas!




A calma alma má
A cor da letra
Adão Braga - Corpo, alma e espírito
Adão Braga - Conectado
Aletômetro
All Racing
Apoio Fraterno
Ansiosa e prematura
Avassaladora
Banana com peperoncino
Bomba MH
By Oscar Luiz
Coisas e tralhas - Mutumutum
Colóquio
Concerto em Dó Menor
Conversas furtadas
Eu sei, mas Esqueci
Eu sou garota?
Fábio Centenaro
Geek Chic
Gothicbox
Hipermoderna
Immortal lust
Instant Karma
Isso é Bossa Nova!
Irmãos Brain
Jornal da Lua
Juarez, o cabrito montês
Limão Expresso
Luz de Luma, yes party!
Jogando Conversa fora
Mas, bah!
Mais atitudes
Matérias repugnantes de um brejo
Melica
Memórias póstumas de um puto prestimoso
Meu cantinho
MOrsa sem pelo
Mulher é tudo bandida
Mulher Remédio
Neuróticos modernos - Filosofia mequetrefe
O estranho mundo de Mila
Oncotô?
Os pensamentos de eu e ela
Paola, a estranha
Papo de buteco
Pensar enlouquece, pense nisso
Pererecas em chamas
Pérolas políticas
Remembrança
Saber é bom demais
Sem frescura
She's like the wind
Sinceros receios
Smile
Sobre sapos, pererecas e afins
Somos todos uns cachorros
Sou para-raio de doido
Uma mente nada brilhante
Van Filosofia
Vertente
Wolverine responde



Fevereiro 2007

Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Dezembro 2009
Março 2010





Powered by Blogger



eXTReMe Tracker